Curso de Administração

ESTÁGIO CURRICULAR

É considerado Estágio Curricular o ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo de educandos que estejam frequentando o ensino regular em instituições de educação superior. O estágio faz parte do projeto pedagógico do curso, além de integrar o itinerário formativo do educando.

O Estágio Curricular visa ao aprendizado de competências próprias da atividade profissional e à contextualização curricular, objetivando o desenvolvimento do educando para a vida cidadã e para o trabalho. Ele é contemplado como um procedimento didático que conduz o aluno a situar, observar e aplicar, criteriosa e reflexivamente, princípios e referências teórico-práticos assimilados entre a teoria e prática, sendo uma etapa de aplicação do conhecimento e do aperfeiçoamento de habilidades numa situação real.

Este estágio curricular poderá ser realizado em empresas conveniadas com o Faculdade Boas Novas - FBN, com orientação docente e supervisão local, devendo apresentar programação previamente definida em razão do processo de formação do estudante, considerando o perfil do egresso, os objetivos do curso, as competências a serem desenvolvidas etc.

 

O Estágio Curricular apresenta-se de duas maneiras, a saber:

 

ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

O estágio supervisionado não será desenvolvido como tradicionalmente o é. No Curso de Bacharel em Administração o aluno não apresentará apenas um relatório de estágio. Ele deverá produzir, no estágio, o Trabalho de Curso (TC) a ser defendido no final do curso. Se possível, as atividades desenvolvidas no estágio supervisionado poderá estar contidas no projeto de pesquisa a ser
desenvolvido pelo aluno. Daí a necessidade de ter outras formas de construção e apresentação do Trabalho de Conclusão (TC), ou seja, nesta proposta teremos três modalidades: Artigo Cientifico, Projeto de Consultoria e Plano de Negócio . Com isso, pretende-se cumprir uma exigência dos DCN’s e dar ao aluno de Administração a oportunidade de, na prática, demonstrar habilidades técnicas na pesquisa científica, ainda que em caráter experimental.

 

ESTÁGIO CURRICULAR NÃO-OBRIGATÓRIO

A Faculdade Boas Novas - FBN autoriza a realização de estágio não-obrigatório aos seus alunos, desde que regularmente matriculados e em atividades co-relatas ao curso, e em obediência plena ao que prescreve a Lei 11.788/2008, tendo a IES o direito de não assinar qualquer convenio de estágio que não esteja de acordo com a referida lei.
Para gerenciar esta atividade a FBN dispõe de uma Coordenação Geral de Estágio que fomenta a colocação dos discentes nas vagas ofertadas pelas empresas. Em parceria com as coordenações dos cursos faz-se um acompanhamento da vida acadêmica dos alunos estagiários durante cada semestre, com intuito de mantê-los estudando e ao mesmo estagiando de acordo com que rege a Lei sobre estágios.
O recrutamento desses alunos para o estágio é realizado através de divulgação das vagas por cartazes, pelo site da FBN e pela caixa postal dos alunos.
Atualmente a Faculdade Boas Novas trabalha, nesta modalidade, em parceria com os seguintes agentes de integração:
· Instituto Euvaldo Lodi – IEL;
· Núcleo Brasileiro de Estágio Ltda- NUBE;
· Centro de Integração Empresa -Escola- CIEE;

 

Curso de Ciências Teológicas

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

 

PREÂMBULO

A LDB 9394/96 no art. 82 (Disposições Gerais) diz que: “Os sistemas de ensino estabelecerão as normas para a realização dos estágios dos alunos regularmente matriculados no ensino médio ou ensino superior em sua jurisdição”. É à luz desse artigo que deve ser compreendida a norma específica do Art. 65 que estabelece, “A formação docente exceto para educação superior, incluirá a prática de ensino de, no mínimo duzentas horas”. Porém, os órgãos normativos dos sistemas de ensino ficaram com a competência para a fixação de normas para estágios profissionais, de nível médio e superior, com a restrição de que, no caso de profissionais de educação, serão inclusas no mínimo trezentas horas de prática de ensino.

 

CAPÍTULO I
DO CONCEITO DE ESTÁGIO

Art. 1º - Estágio é o componente acadêmico determinante da formação profissional e da cidadania dos estudantes. Realiza-se por um conjunto de atividades de aprendizagem social, profissional e cultural, podendo assumir características de ensino, pesquisa e extensão.

 

Art. 2º - O Estágio Supervisionado, como procedimento didático-pedagógico, é atividade de responsabilidade da instituição de ensino, a qual compete a decisão quanto a matéria. Cabe ao curso zelar para que o processo de Estágio Supervisionado de seus alunos represente autêntica atividade pedagógica integrada e, não forma oblíqua de contratação de mão de obra.

 

Art. 3º - “O Estágio não cria vínculo empregatício de qualquer natureza, sendo que o estagiário poderá receber bolsa ou outra forma de contraprestação, ressalvado o que dispuser a legislação previdenciária devendo o estudante, em qualquer hipótese, estar segurado contra acidentes pessoais” (Lei nº 6.494/77, art. 4º).

 

CAPÍTULO II
DOS OBJETIVOS

Art. 4º - O Estágio supervisionado do Curso de Ciências Teológicas tem como objetivo amplo proporcionar o exercício da competência técnica e o compromisso profissional com a realidade do país, e com os seguintes objetivos específicos:

 

  • 1º - Proporcionar a complementação do ensino e da aprendizagem devendo ser planejado, executado, acompanhado e avaliado segundo os currículos, os programas, os calendários escolares, a fim de se constituir em instrumento de integração em termos de exercício práticos, aperfeiçoamento pedagógico, teológico, científico e de relacionamento humano.
  • 2º - Cabe ao Curso de Ciências Teológicas oferecer na estrutura curricular, um Estágio Curricular Supervisionado, obrigatório, para obtenção mínima dos créditos estabelecidos pela coordenação dos cursos, de acordo com a Lei nº 11.788/2008.

 

CAPÍTULO III
DAS MODALIDADES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Art. 5º - São consideradas modalidades de estágio:

Curricular: É oferecido como disciplina específica de Estágio Supervisionado. Integraliza créditos obrigatórios no currículo do curso, seguindo critérios e regulamentação específica da disciplina e do curso. A supervisão do especialista docente do Curso de Ciências Teológicas é obrigatória, com a participação do professor do campo de estágios, para acompanhamento.

Extracurricular: A supervisão docente do Curso de Ciências Teológicas é realizada de comum acordo com o curso, com a designação de um professor do campo de estágio.

 

CAPÍTULO IV
DO CAMPO DE ESTÁGIO

Art. 6º - São considerados campos de estágio;

Atividades desenvolvidas dentro da instituição, como atendimento religioso e aconselhamentos, que podem ser realizados através da Capelania da Faculdade. Em comunidades eclesiásticas, organizações não-governamentais, escolas, comitês de ética e bioética, instituições de mediação, órgãos governamentais, entre outros.

 

Parágrafo Único - O estágio pode realizar-se somente em unidades ou áreas em condições de proporcionar experiências práticas na linha de formação do aluno, devendo os coordenadores de estágios definirem essas condições.

 

Art. 7º - Os campos de estágio deverão obedecer e atender aos seguintes requisitos:

Existência de infra-estrutura de recursos humanos, físicos e materiais; Possibilidade de supervisão e avaliação das atividades relativas ao estágio; Apresentação de documento de solicitação formal de convênio com o curso; Apresentação de documento que contenha a descrição pormenorizada das atividades a serem desenvolvidas pelo estagiário; Comprovação de idoneidade e reconhecimento de nível técnico, devendo ser responsabilizado pelo menos um profissional da(s) área(s) em que se oferece o estagiário; Assinatura de instrumento legal (convênio) que defina a relação entre o Curso de Ciências Teológicas e o campo de realização de Estágio Supervisionado.

 

CAPÍTULO V
DO CONVÊNIO E TERMO DE COMPROMISSO

Art. 8º - Haverá obrigatoriedade de se firmar convênio com a FBN, para construção de campo de estágio, com as instituições e entidades conveniadas.

Convênio: Trata da interação da Faculdade com a conveniada para concessão de vagas para estágio. É celebrado pelo representante legal da FBNCTSB o (Diretor/a e o representante legal da conveniente). Tem vigência por prazo indeterminado, podendo ser cancelado nos termos do convênio.

Termos de Compromisso: define o objeto do estágio, realizado pelo estudante na conveniente, com base em convênio prévio. É celebrado entre o estudante e a conveniente com a participação obrigatória da FBNCTSB representada pelo coordenador de estágio.

 

Parágrafo Único - O Termo do Compromisso pode ser interrompido unilateralmente a qualquer momento pela instituição conveniente ou pelo estagiário.

 

CAPÍTULO VI
DA DURAÇÃO DOS ESTÁGIOS
  • 9º - O estágio será realizado nos dois últimos períodos do curso, com carga horária total de 200 horas, conforme as Diretrizes Curriculares CNE/CES nº 60/2014;

 

CAPÍTULO VII

DAS ATRIBUIÇÕES DAS COORDENAÇÕES, PROFESSORES, ORIENTADORES SUPERVISORES DE ESTÁGIOS E ESTAGIÁRIOS

 

Art. 10º - São atribuições da Coordenação Geral de Estágio da FBN:

Coordenar as atividades de estágio dos cursos junto, aos órgãos internos e externos da faculdade; Desenvolver dinâmicas de cadastramento de campos de estágios já existentes ou que venham a agenciar, de forma a facilitar a celebração de convênios e a socialização dessas informações na comunidade acadêmica; Estimular o exercício da competência técnica e o compromisso com a realidade cultural e sócio-política do país; Manter vigilância com relação aos aspectos legais dos convênios e parcerias findadas; Promover o intercâmbio e a troca de experiências entre os diferentes cursos e destes com os campos de estágio, pela promoção periódica de fóruns e debates; Divulgar de forma ampla as experiências de estágio, a partir de semanários, publicações e outros meios julgados convenientes pela coordenação, o estágio poderá suscitar a problematização dos trabalhos monográficos do curso.

 

Art. 11º - São atribuições dos Coordenadores de Estágios do Curso de Ciências Teológicas:

Manter contatos com as entidades conveniadas de estágios, celebrando o devido convênio;

Informar alunos estagiários e professores orientadores de estágio sobre diretrizes e determinações do Regulamento de Estágio.

Dar conhecimento das diretrizes, procedimentos e instruções inerentes ao desenvolvimento do Estágio Curricular do Curso; Deliberar sobre assuntos de estágio, respeitando as normas vigentes; Acompanhar as atividades dos alunos estagiários e dos professores orientadores de estágio de IES e do supervisor das entidades conveniadas; Propor mecanismos que viabilizem a integração entre ensino teórico-metodológico e prático, e o ensino curricular; Orientar alunos estagiários e professores orientadores sobre assuntos relativos ao estágio de ensino;

Avaliar os Relatórios de Estágios.

 

Art. 12º - São atribuições do Professor Orientador de Estágio no Curso de Ciências Teológicas:

Assessorar, orientar, acompanhar e supervisionar o estagiário, nas modalidades de estágios, em áreas específicas do conhecimento e, quando solicitado, na modalidade de ensino; Fornecer informações à Coordenação de Estágio do Curso, com vistas a proporcionar a integração teórico-prática dos trabalhos desenvolvidos; Atender estagiários nos horários programados com a Coordenação de Estágio do Curso.

 

Art. 13º - São atribuições do Supervisor de Estágio nas Entidades Conveniadas:

Supervisionar o aluno estagiário durante o desenvolvimento do estágio; Realizar avaliação do aluno no final do Estágio Supervisionado, preenchendo a Ficha de Avaliação do Estágio;

Emitir Declaração do Estágio, computando o período de realização e a carga horária.

 

Parágrafo Único – A Supervisão do Estágio nas Entidades Conveniadas é exercida por um profissional graduado em teologia, para colaborar com o Coordenador de Estágio de curso, na tarefa de acompanhamento e supervisão do estágio.

 

Art. 14º - São atribuições do aluno estagiário:

Manifestar sua escolha pela modalidade de Estágio, junto ao Coordenador de Estágio de seu curso; Elaborar o Projeto de Estágio e apresentar-se ao Coordenador Estágio do seu curso;

Comunicar ao Coordenador e ao Orientador de Estágio de seu curso, todo acontecimento importante relacionado ao andamento do Estágio; Comparecer nos encontros dos trabalhos ou discussões de possíveis problemas; Observar e cumprir normas que emanarem das Coordenações de Estágio; Comparecer, na data e horário designado, para exposição e/ou inquirição do trabalho perante o Coordenador de Estágio de seu curso; Elaborar e apresentar relatórios de forma global e descritiva para as modalidades do Estágio, conforme instruções específicas do Coordenador de Estágio; Estar regularmente matriculado e ter frequência efetiva como aluno regular do curso; Cumprir as normas disciplinares de trabalho e manter postura ética referente às situações que vivenciar; Apresentar perfil compatível com os programas e os projetos desenvolvidos pela instituição conveniada.

 

CAPÍTULO VIII
DAS ATRIBUIÇÕES DA INSTITUIÇÃO CONVENIADA

Art. 15º - São atribuições da Instituição Conveniada;

Autorizar o início de estágio somente depois que o Coordenador de Estágio tiver assinado o termo de compromisso; Designar um Coordenador para atuar de forma integrada com o professor orientador de estágio; Colaborar nas atividades de avaliação, mediante envio de informações sobre o desempenho de estagiário; Comunicar imediatamente o Coordenador a interrupção do estágio, bem como suas razões.

 

CAPÍTULO IX
DO DESLIGAMENTO DO ESTAGIÁRIO

Art. 16º - O desligamento do estagiário poderá ocorrer:

Automaticamente ao término do estágio; A qualquer tempo, no interesse da instituição conveniada; Decorrida a terça parte do tempo para duração de estágio, se comprovada insuficiência na avaliação do desempenho na entidade concedente ou na instituição de ensino superior;

A pedido do estagiário; Em descumprimento de qualquer compromisso assumido na oportunidade da assinatura do Termo de Compromisso de Estágio; Em decorrência de faltas sem motivo justificado, por mais de cinco dias consecutivos ou não, no período de um mês, por trinta dias durante todo o período do estágio. Em virtude de interrupção do curso na instituição de ensino a que pertença o estagiário; A partir da interrupção temporária do curso do aluno, por meio de solicitação de Trancamento Geral da Matrícula (justificado ou não).

 

CAPÍTULO X
DA MATRÍCULA EM ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURRICULAR

Art. 17º - A matrícula para estágio supervisionado deverá ser realizada juntamente com as demais disciplinas a serem cursadas nos semestres da realização do estágio e/ou obedecendo o cronograma de matrículas oferecido pela IES, exigindo-se o cumprimento de pré-requisitos previstos na matriz curricular, quando houver.

 

Parágrafo Único – Os Estágios curriculares supervisionados podem ser oferecidos fora dos períodos letivos regulares, desde que a oferta seja previamente deferida pela coordenação específica de estágios.

 

CAPÍTULO XI
DA AVALIAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURRICULAR

Art. 18º - A avaliação deve ser realizada obrigatoriamente por docentes da FBNCTSB, com a participação de profissionais do campo no qual se desenvolveu o estágio.

 

Curso de Jornalismo

 

O Ministério da Educação, Conselho Nacional de Educação, Câmara de Educação Superior, através da Resolução nº 1, de 27 de setembro de 2013. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Jornalismo, bacharelado, de que o estágio conforme o Art. 12. O estágio curricular supervisionado é componente obrigatório do currículo, tendo como objetivo consolidar práticas de desempenho profissional inerente ao perfil do formando, definido em cada instituição por seus colegiados acadêmicos, aos quais competem aprovar o regulamento correspondente, com suas diferentes modalidades de operacionalização.

A qual a Faculdade Boas Novas, através do Curso de Comunicação Social/Jornalismo está implantando no ano letivo de 2015 o estágio supervisionado com carga horária de 200 horas para os acadêmicos do curso, que estarão desenvolvendo atividades em empresas e instituições, selecionadas pelos coordenadores de estágio.

Lembrando que o estágio não é modalidade de trabalho, mas modalidade de ensino baseado em familiarizar o educando no seu futuro ambiente de trabalho e desenvolver neste as futuras competências necessárias para lograr êxito no mercado de trabalho.

O objetivo é iniciar a inserção do aluno de Jornalismo no mercado de trabalho, contribuindo com a sua formação profissional, podendo assim, proporcionar aos estudantes regularmente matriculados a oportunidade de interagir com empresas e instituições na área do Jornalismo.

Pois o estágio é ato educativo escolar supervisionado no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho. Como etapa do processo educacional, o estágio não gera vinculo trabalhista, e o educando tem que estar regularmente matriculado em curso superior; ocorra celebração de termo de compromisso entre educando, parte concedente do estágio e a instituição de ensino; e, por final, que haja compatibilidade de atividades desenvolvidas no estágio com o termo de compromisso.

 

Justificativa

A obrigatoriedade do Estágio Supervisionado se justifica pela visão de que a experiência prática do aluno no mercado é fundamental para sua completa formação como jornalista, em suas diversas áreas de atuação permitindo que o discente possa vivenciar o cotidiano das práticas profissionais.

Estágio não é uma atividade laboral, mas uma modalidade de ensino, e que a formalização desta atividade não gera vínculo trabalhista e nem uma de suas consequências, como recebimento de salário, FGTS e etc. A lei, porém, resguarda vários direitos do educando, com intuito de que estágio não seja corrompido e acabe se tornando uma relação empregatícia, além de tentar assegurar condições mínimas no ambiente de trabalho.

Neste aspecto, o estágio possui proteção específica em relação à duração da jornada, período máxima de dois anos do estágio, recesso de 30 (trinta dias) durante férias escolares e em certos casos, até mesmo a concessão de uma bolsa como forma de contraprestação. No caso do estágio obrigatório, o educando não fará jus a bolsa, pois se trata de atividade que é componente da matriz curricular do curso, e como tal, integra o próprio curso superior, não sendo considerado como uma atividade externa, mas interna da IES na formação do aluno. Neste ínterim, o estágio obrigatório no Brasil não tem sido uma atividade remunerada pelas IES devido à inviabilidade de se remunerar todos os alunos do curso por um ou dois períodos, mas com raras exceções, como nos casos da residência médica, no qual o aluno é remunerado por órgãos públicos ou entes privados.

Sim, o estágio é uma disciplina do curso, prevista no Projeto Pedagógico e obrigatório por Lei. Como tal, não há como fazer reaproveitamento caso os alunos sejam registrado em carteira.

Quem trabalha em carteira registrada em uma empresa tem que procurar fazer estágio sem remuneração. O estudante do curso de Jornalismo deverá realizar a disciplina de estágio na empresa, órgão ou entidade que for determinada pela FBN. O procedimento, o local e duração deste estágio são determinados pelo Colegiado Educacional da FBN, e a sua prestação é sujeita a conveniência e possibilidade de vagas. O estágio obrigatório não é uma forma de trabalho, mas uma modalidade de ensino e uma exigência da grade curricular do curso.

Quem também fez estágios não obrigatórios anteriormente terá que fazer estágio não remunerado obrigatório, pois terá que ter um professor para supervisionar.

O estágio curricular obrigatório é uma disciplina do curso, enquanto que, os estágios não obrigatórios são atividades realizadas pelo estudante por sua própria iniciativa. Eles, embora sejam relacionados, possuem naturezas diferentes. Um deles (estágio obrigatório) consta do projeto pedagógico do curso e é obrigatório por lei. O outro (não obrigatório) não está previsto no projeto pedagógico e trata-se de atividade complementar.

 

Metodologia e Cronograma

No curso de Jornalismo, o estágio curricular obrigatório pode ser realizado pelo estudante nos últimos períodos do curso, de preferência no 7º ou 8º período, tendo que totalizar no final do curso 200 horas.

Baseando-se nas experiências do curso em outras instituições iremos trabalhar com os alunos do 7º, a qual terá que finalizar no final deste semestre a carga de 100 horas. E que serão realizadas nos horários que não prejudique a sua presença nas aulas.

 

Avaliação

A avaliação do Estágio Supervisionado será feita ao final dos semestres, considerando, dentre outros aspectos, a comprovação do cumprimento da carga horária mínima estabelecida para a realização do estágio obrigatório em atividade estritamente jornalística (200 h), será realizada durante os períodos do curso, sob a supervisão da professora responsável por esta atividade que estará avaliando o desempenho ao longo do Estágio, no qual o discente ao final do período proposto apresentará um relatório descrevendo seu cotidiano e tarefas desempenhadas.

O estudante deve ficar atento ao cronograma disponibilizado pela Coordenação de Jornalismo no início do semestre para ter conhecimento das datas e etapas.

O estágio curricular obrigatório é cumprido de acordo com as diretrizes determinadas pelo Colegiado da FBN.

O estágio obrigatório reprova. A reprovação pode acontecer em diversos casos, como por julgamento do professor orientador em caso de considerar que o desempenho do aluno tenho sido insatisfatório ou pelo não comparecimento do estudante às orientações, entre outras causas.

 

Conclusão

Portanto, assim fica determinada, a obrigatoriedade da realização de Estágio Supervisionado no Curso de Jornalismo, totalizando uma carga horária de 300 horas por aluno, sendo realizado nos 7ª ou 8ª períodos letivos, o qual não deverá ser remunerado, conforme determina a Lei de estágio vigente no Brasil. Vale a ressaltar que, o estágio não diz respeito às horas complementares. E tão pouco, não está relacionado à realização de estágios anteriores, da implantado deste projeto na FBN, possa ser contabilizado como carga horária para o curso.

 

Curso de Pedagogia

ESTÁGIO  CURRICULAR

É considerado Estágio Curricular o ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo do educando que esteja frequentando o ensino regular em instituições de educação superior. O estágio faz parte do projeto pedagógico do curso, além de integrar o itinerário formativo do educando.

O Estágio Curricular visa ao aprendizado de competências próprias da atividade profissional e à contextualização curricular, objetivando o desenvolvimento do educando para a vida cidadã e para o trabalho. Ele é contemplado como um procedimento didático que conduz o aluno a situar, observar e aplicar, criteriosa e reflexivamente, princípios e referências teórico-práticos assimilados entre a teoria e prática, sendo uma etapa de aplicação do conhecimento e do aperfeiçoamento de habilidades numa situação real.

Este estágio curricular poderá ser realizado em instituições conveniadas com a Faculdade Boas Novas - FBN, com orientação docente e supervisão local, devendo apresentar programação previamente definida em razão do processo de formação do estudante, considerando o perfil do egresso, os objetivos do curso, as competências a serem desenvolvidas etc.

O Estágio Curricular apresenta-se de duas maneiras, a saber:

 

ESTÁGIO  CURRICULAR  OBRIGATÓRIO

O Estágio Curricular é uma atividade obrigatória na formação do pedagogo, que se realiza, normalmente, fora das salas de aula e da própria universidade. Caracteriza-se como um período de investigação e de prática, em ambiente real de trabalho, ou seja, em escolas da comunidade, empresas, hospitais, clínicas, entre outros.

O Estagio Curricular conforme o que prescreve o art 7º da Resolução 05/05 do CNE/CP deverá ter carga horária mínima de 300 horas, sendo priorizada a docência na Educação Infantil e nas séries iniciais do Ensino Fundamental.

A FBN pretende que durante o período de estagio o aluno tenha o encontro com a docência, mas que também, possa conhecer a prática da gestão escolar e da supervisão escolar e orientação educacional articuladas, bem como que possa ter experiência em ambientes não escolares como asilos, empresas, hospitais entre outros.

O Estágio do Curso de Pedagogia se realizará no desenvolvimento das atividades que sintetizem as experiências por meio de pesquisa diagnóstica, pesquisa bibliográfica, pesquisa de intervenção, participação em projetos e eventos, e em grupos de estudo.

A elaboração do Trabalho de Conclusão do Curso deve retratar a síntese crítica e analítica das experiências vivenciadas pelo aluno, enquanto pesquisador. O estágio tem sua culminância com a apresentação do trabalho de conclusão de curso, que é construído ao longo do Curso de Pedagogia.

O estágio mediante a pesquisa da prática pedagógica vincula-se também aos cursos e atividades de extensão e ao trabalho de conclusão do curso. O trabalho de conclusão do curso está vinculado à investigação e vivencia da prática educativa.

O projeto pedagógico do curso de Pedagogia da FBN visa, portanto, proporcionar uma sólida formação profissional, acompanhada de possibilidades de aprofundamento e opções realizadas pelos alunos, no decorrer do curso uma vez que as disciplinas estarão sempre vinculadas ao contexto concreto das atividades educativas escolares e não escolares através de atividades de pesquisa e extensão. Toma-se dessa maneira a relação teoria e prática como eixo articulador da produção do conhecimento na dinâmica do currículo.

O estágio, componente fundamental do processo de formação do professor, passa a ser compreendido como um espaço teórico-prático da atividade profissional docente, composta pelo conjunto de atividades realizadas pelo formando em sua iniciação profissional. Enquanto espaço de mobilização das ações voltadas para práticas concretas, o estágio enquanto componente curricular será realizado do quarto ao sexto período propiciando oportunidade do futuro docente desenvolver uma nova postura competente, crítica e reflexiva em relação à profissão docente iniciando um processo de autonomia profissional a partir de um compromisso ético e político com a educação básica.

Tal concepção parte do pressuposto de que o trabalho do professor tem um caráter complexo e dinâmico que solicita uma compreensão da situação e uma ação elaborada que supõe capacidade de discernir o significado dos acontecimentos, de avaliar no referencial teórico seu significado prático e de decidir por soluções adequadas. Enfatiza-se que esta proposta busca superar a visão de que ser professor se reduz às informações e regras de ação.

A aprendizagem a ser desenvolvida no estágio implica em saber realizar a articulação entre teoria e prática e compreender que toda prática é decorrente de uma teoria que por sua vez decorre de uma prática. A inserção na realidade passa a ser compreendida, como a aprendizagem de uma profissão que exige qualificação complexa, que deve ser apreendida pelos formandos em suas múltiplas relações.

Para que ocorra essa inserção, o estágio será realizado em espaços alternados: de formação nos campos de estágio escolares (escolas dos sistemas públicos ou privados da Educação Infantil e Ensino Fundamental) e nos campos de estágio não escolares (empresas, asilos, hospitais, penitenciarias)  possibilitando que os aspectos teóricos possam vincular-se às problemáticas práticas.

Tais atividades desenvolvidas partem de princípios articuladores buscados em concepções de aprendizagem em que a participação do aluno é ativa e onde a aprendizagem contempla a produção de novas competências, o conhecimento, as habilidades e atitudes envolvidas no saber conhecer, saber fazer, saber conviver, saber ser.

O estágio deverá proporcionar, ao formando, não só o conhecimento da realidade da educação básica, mas dar-lhe condições de pensar criticamente sobre ela, de problematizá-la e de buscar soluções para sua transformação. Abrange as situações onde o futuro profissional estará estudando, analisando, problematizando, refletindo e propondo soluções para as situações de ensino-aprendizagem, por meio da elaboração, execução ou avaliação de projetos de ensino e de investigação que incida sobre a prática pedagógica.

Tendo como eixo a ação-reflexão-ação, as atividades propostas através do estagio possibilitarão aos formandos mobilizar os referenciais teóricos face às necessidades e prioridades identificadas nas escolas e nas instituições não-escolares.

Nessa proposta, a concepção de estágio permeia todo o curso. Nos três  primeiros períodos se expressa nas múltiplas relações que o aluno estabelecerá com a educação básica, visando atender as dimensões práticas das disciplinas através do caráter indisciplinar pertinente as mesmas,que culminarão com os Seminários de Socialização ou Atividades Integradoras. A partir do 4º período, os alunos desenvolverão projetos mais específicos em termos de participação e docência.

Esta construção será gradual, investigativa, observacional, problematizada a partir da matriz conceitual dos campos de conhecimentos abordados pelos programas durante todo o curso.

O aluno terá o compromisso de elaborar o relato individual das atividades praticas, auxiliado pelos professores, no qual serão explicitadas as ações que serão desenvolvidas na educação básica. Essa atividade, já iniciada no primeiro período do curso, será ampliada ao longo do curso e intensificada no momento do estágio supervisionado.  A partir do quarto período, onde através destes relatos o mesmo estará construindo seu Relatório de Pesquisa, onde o mesmo apresenta a intervenção individual devidamente acompanhado do Plano de ação que visa contribuir para a melhoria da educação básica.  Os mesmos servirão de subsídios para o Trabalho de Conclusão de Curso (Monografia).

 

ESTÁGIO CURRICULAR NÃO-OBRIGATÓRIO

A Faculdade Boas Novas - FBN autoriza a realização de estágio não-obrigatório aos seus alunos, desde que regularmente matriculados e em atividades co-relatas ao curso, e em obediência plena ao que prescreve a Lei 11.788/2008, tendo a IES o direito de não assinar qualquer convenio de estágio que não esteja de acordo com a referida lei.

Para gerenciar esta atividade a FBN dispõe de uma Coordenação de Estágio que fomenta a colocação dos discentes nas vagas ofertadas pelas empresas. Em parceria com as coordenações dos cursos faz-se um acompanhamento da vida acadêmica dos alunos estagiários durante cada semestre, com intuito de mantê-los estudando e ao mesmo estagiando de acordo com que rege a Lei sobre estágios.

O recrutamento desses alunos para o estágio é realizado através de divulgação das vagas por cartazes, pelo site da FBN e pela caixa postal dos alunos.

Atualmente a Faculdade Boas Novas trabalha, nesta modalidade, em parceria com os seguintes agentes de integração:

  • Instituto Euvaldo Lodi – IEL;
  • Núcleo Brasileiro de Estágio Ltda - NUBE;
  • Centro de Integração Empresa -Escola- CIEE;

Instituto de Educação Boas Novas – IEBN